sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Lula: Maioria do TSE rejeita registro de candidatura.

Resultado de imagem para Lula
A maioria dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) votou nesta sexta-feira (31) pela rejeição do pedido de registro de candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à Presidência da República.

Na sessão, a maioria dos ministros também proibiu Lula de fazer campanha como candidato, inclusive na propaganda de rádio e TV, que começa neste sábado (1º) para os presidenciáveis.

Até a última atualização desta reportagem, quatro do sete membros do tribunal já haviam considerado o petista inelegível com base na Lei da Ficha Limpa. Um (Edson Fachin) se posicionou a favor da autorização provisória da candidatura. O resultado será proclamado somente após os votos dos outros dois ministros.

A rejeição da candidatura pelo TSE ainda poderá ser contestada em recurso da defesa ao próprio tribunal ou ao Supremo Tribunal Federal – nesta última hipótese, ele já não poderá se apresentar como candidato.

O ministro Admar Gonzaga decidiu acompanhar o relator, votar contra Lula e de quebra formou maioria para indeferir o pedido de registro do petista como candidato à Presidência da República. Assim como seus pares, Gonzaga deixou claro que a Justiça Eleitoral não está ali decidindo "se a condenação foi justa ou injusta". "Cabe ao STF ou ao STJ deliberar a respeito", ressaltou. Nem que a inelegibilidade tem a ver com estar ou não preso.  Ele também seguiu a maioria no que diz respeito a decisão do Comitê de Direitos Humanos da ONU: não vale como medida judicial

Vaza programa do PT

Já prevendo que não poderão exibir no horário eleitoral a campanha de Lula para Presidência da República devido a decisão do TSE, petistas estão publicando na internet o programa que estava previsto para ser divulgado neste sábado, 1º. Um dos militantes que disse que "vazou" a propaganda foi o deputado Carlos Zarattini (PT-SP)

Marília inicia passagem pelo Sertão e garante apoio de Antônio Fernando

Iniciando uma série de compromissos no Sertão pernambucano nos próximos dias, a candidata a deputada federal, Marília Arraes (PT), esteve nesta sexta-feira (31) nas cidades de Santa Maria da Boa Vista, Ouricuri e Araripina. Acompanhada de Cristina Costa (PT), candidata a deputada estadual, Arraes foi muito bem recebida na feira livre de Santa Maria, onde panfletou ao lado de Valter Firmino, vice-prefeito do município, e de vários apoiadores da sua candidatura.

Ainda em Santa Maria, a candidata visitou o assentamento Filhos da Luta, local onde 412 pessoas moram desde 2013 e trabalham dia e noite para garantir um pedaço de terra. “É fundamental conhecer as histórias de luta e resistência e a luta dos trabalhadores da nossa terra”, afirmou.

Já na cidade de Ouricuri, a candidata teve um encontro muito produtivo com representantes de movimentos sociais, como feministas e da agroecologia, e propôs ideias para o desenvolvimento da região do Araripe. “Não tem como não falar em um gesto de desenvolvimento sem trazer um campus da UFPE para o Araripe. É importante socialmente e economicamente”, continuou Arraes.

A candidata, que também concedeu entrevistas para várias rádios da região, falou sobre a importância de dar voz aos trabalhadores rurais que estão sendo esquecidos pelo atual Governo do Estado. “Há um grande desmonte com as políticas sociais do pequeno produtor rural”, disse, criticando também o Governo de Michel Temer. “O atual presidente pretende cortar 95% da verba de carros-pipa. Garanto que teremos uma voz combativa na Câmara Federal. Temos um grande compromisso com os pernambucanos.”

Em Araripina, a candidata participou de um encontro com militantes e apoiadores do seu nome no Sindicato dos Trabalhadores Rurais da cidade. 

APOIO DE ANTÔNIO FERNANDO

Durante seus compromissos na cidade de Ouricuri, Marília Arraes garantiu mais um apoio para o projeto de construção do seu nome para a Câmara Federal. Em evento organizado pelo vereador Everaldo, a candidata recebeu o apoio de Antônio Fernando, candidato a deputado estadual, e fortaleceu ainda mais sua candidatura. “É com muita satisfação que vamos fazer essa parceria com Marília. Precisamos fazer com que o Araripe evolua ainda mais”, afirmou Antônio.

3 votos a 1 pela Impugnação de Lula

BR18

Terceiro a votar no TSE sobre o registro de Lula como candidato à Presidência nas eleições 2018, o ministro Jorge Mussi faz uma defesa da Lei da Ficha Limpa e das atribuições da Corte no caso. Para Mussi, a inelegibilidade de Lula "é de patente induvidosa, clara, cristalina, não cabendo a Justiça Eleitoral debater o acerto da condenação", como foi defendido pelo relator, Luís Roberto Barroso.

"A Lei da Ficha Limpa, cuja constitucionalidade foi reconhecida pelo STF, representa essencial mecanismo de iniciativa popular para proteção da probidade administrativa e da moralidade para exercício de mandato", disse. Mussi também defendeu que o Comitê de Direitos Humanos da ONU não tem competência jurisdicional em ato de registro de candidatura. Ele vetou que o ex-presidente participe dos atos de campanha.

Ministro Og Fernandes vota junto com o relator, Luis Roberto Barroso, pela inelegibilidade de Lula.

Og Fernandes, quarto a votar no TSE sobre o registro do ex-presidente Lula, foi sucinto. Em um voto rápido, ressaltou que a Ficha Limpa teve o apoio de milhões de brasileiros, que a recomendação do Comitê de Direitos Humanos da ONU não tem ação vinculante e  que não está em julgamento "a indiscutível popularidade política" do petista

Relator da Lava Jato no Supremo defende candidatura de Lula

Resultado de imagem para edson fachin
Edson Fachin abriu divergência em relação ao voto de Luís Roberto Barroso e defendeu a candidatura de Lula.

Segundo ele, a inelegibilidade de Lula prevista na Lei da Ficha Limpa deve ser “suspensa” diante da tal recomendação do Comitê de Direitos Humanos da ONU.

“Negar a liminar é impedir que tenha sentido pratico a deliberação do comitê. Diante da consequência que entendo, a medida provisória obtém o direito de paralisar a eficácia da decisão que nega o registro de sua candidatura.”

Armando quer dar incentivos aos servidores públicos do estado

Resultado de imagem para IRH PE
O candidato do PTB ao governo de Pernambuco, Armando Monteiro, está elaborando com uma equipe de técnicos  internacionais um dos maiores projetos de recursos humanos designado aos servidores do estado de Pernambuco. 
Quem for servidor, contará com descontos inclusive em bancos oficiais para aquisição de casa própria e veículos. Armando ainda pensa em implementar serviços de saúde e benefícios que visem a melhora de vida dos funcionários públicos do estado, sendo incluído ainda, qualificação no exterior.
Esses serviços serão prestados em parceria com a iniciativa privada com quem o candidato tem um bom trânsito.

PT Pernambuco quebra acordo com candidatos

Resultado de imagem para Bruno Ribeiro e Oscar Barreto
O grupo do PT que apoiou a candidatura própria de Marília Arraes para governadora foi surpreendido no início do guia eleitoral de hoje, 31 de agosto. O caso é que foi acordado que não seriam usados nem a logomarca e nem o governador Paulo Câmara ou qualquer alusão a ele apareceria no espaço destinado a esses candidatos. O acordo foi feito com o presidente estadual do PT, Bruno Ribeiro e o vice-presidente Oscar Barreto, que descumpriram o acordo.
"Fomos surpreendidos nos guias eleitorais e inserções com a presença do golpista Paulo Câmara. Foi afirmado tanto por Bruno como por Oscar que não haveria nas nossas falas as marcas do PSB... Isso é falta de caráter e manipulação" foi enviada uma mensagem por um dos candidatos do deputado estadual.
"Isso é um verdadeiro boicote nas candidaturas do PT, por parte do grupo de Humberto e do PSB" completou.

PT tem dez dias para indicar o substituto


O ministro Luís Roberto Barroso, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), votou, hoje, pela rejeição do pedido de candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, à Presidência da República.
Relator do pedido de candidatura, Barroso foi o primeiro a votar no julgamento do pedido, cuja decisão depende da maioria dos 7 ministros que integram o plenário do TSE.
Depois dele, votam os ministros Edson Fachin, Jorge Mussi, Og Fernandes, Admar Gonzaga, Tarcisio Vieira de Carvalho Neto e Rosa Weber.
No voto, Barroso elogiou a Ficha Limpa, pela qual Lula está inelegível em razão da condenação por corrupção e lavagem de dinheiro em órgão colegiado.
“[A lei] não foi um golpe nem decisão de gabinete. Foi em verdade fruto de grande mobilização popular em torno do aumento da moralidade e da probidade na política. Foi o início de um processo profundo e emocionante na sociedade de demanda por integridade, idealismo e patriotismo”, afirmou.
Em relação a Lula, esclareceu que não estava em julgamento a moralidade do ex-presidente nem sobre seu legado político, já que a culpa em si do petista é analisada na Justiça comum – no caso, em recursos ao Superior Tribunal de Justiça ou ao Supremo Tribunal Federal.
“Não cabe à Justiça Eleitoral decidir sobre o acerto ou desacerto das decisões de outros órgãos do Judiciário ou tribunais de contas que configurem causa de inelegibilidade”, afirmou, citando precedentes do próprio TSE.
No início, Barroso ainda justificou a opção por decidir nesta sexta sobre o caso – a defesa queria adiar o julgamento, o que permitiria que Lula aparecesse como candidato na propaganda de rádio e TV, que começa neste sábado (1º).
O ministro disse que marcou a decisão para esta sexta para que o horário eleitoral comece com “o quadro definitivo dos candidatos à Presidência”.
“Foi uma decisão a favor da defesa, para permitir a apresentação, sua contestação, suas razões, possibilitar a sustentação oral, receber decisão colegiada em decisão pública, em lugar de decisão que teria de tomar sozinho em meu gabinete”, justificou.
Barroso também disse que, na condição de julgador do caso, não tem “qualquer interesse ou preferência que não seja o bem do Brasil. Nem pessoais, nem políticos, nem ideológicos”.
“Minha única preocupação é a defesa das instituições, da Constituição e da democracia, para que sirvam da melhor maneira possível à nação brasileira”, afirmou.

Se ficar sem Lula, PT pode não estar no horário eleitoral

O PT pode ficar de fora do horário eleitoral destinado aos candidatos à Presidência da República. Segundo o advogado eleitoral e ex-ministro do TSE Marcelo Ribeiro, para Coluna do Estadão, caso o TSE casse o registro de Lula nesta sexta-feira e não indicar um substituto a tempo, o partido não poderá mostrar sua propaganda neste sábado. Os petistas só voltariam ao rádio e a TV quando formalizassem o candidato do ex-presidente.

Antecipação de julgamento no TSE é ‘discriminação’ contra Lula, diz PT

A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), afirmou que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) “discriminou” o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao antecipar o julgamento do seu pedido de candidatura para esta sexta-feira 31.

Gleisi alegou que o relator do caso no TSE, ministro Luís Roberto Barroso, abriu mão de pedir alegações finais às partes, diferentemente do que ocorreu nas contestações aos registros de Geraldo Alckmin (PSDB) e Jair Bolsonaro (PSL). “O julgamento feito às pressas passa por cima de ritos previstos na lei, como as alegações finais, diferentemente do que ocorreu com outras candidaturas impugnadas, como as de Geraldo Alckmin e Jair Bolsonaro, baluartes do golpe do impeachment”, afirmou, em nota.

Abrir mão das alegações é uma prerrogativa do relator no TSE, mas, segundo a presidente do PT, demonstra um tratamento diferente da Justiça no caso do ex-presidente. Gleisi Hoffmann também argumentou que os ministros da Corte não teriam lido atentamente a posição da defesa do ex-presidente, que têm 200 páginas e foi protocolada na noite desta quinta-feira.

“A defesa de Lula, protocolada ontem à noite, tem cerca de 200 páginas contendo provas e argumentos que certamente não foram lidos com a devida atenção pelos ministros, dada a evidente falta de tempo para tal”, afirmou.

Governo quer que delegacias funcionem mesmo sem policiais suficientes

Resultado de imagem para Delegacia da Policia Civil Pernambuco
Em denúncias enviadas ao Blog por diversos policiais civis de que o chefe da Polícia Civil está obrigando as delegacias a ficarem abertas mesmo com um policial só. Os policiais civis por sua vez, com justiça, estão se negando a abrirem as delegacias com um homem só. Por óbvio, um prédio cheio de armas com um só policial para atender às ocorrências e tomar conta do prédio com armas é absolutamente impossível.

Dizem os policiais civis, que o Governador Paulo Câmara quer dar aparência  de que as delegacias são abertas  durante a noite, quando permanecem quatro anos fechadas. Muitas dessas, são fechadas inclusive aos sábados e domingos.

"Isso é um grande estelionato eleitoral, tentando enganar o povo com uma coisa que na prática nunca ocorreu. Tampouco poderá ocorrer com a quantidade de efetivos à disposição atualmente" disse um policial.


Jarbas recebe apoio do Pastor Eurico


Na manhã de hoje, o deputado federal e candidato ao Senado pela Frente Popular, Jarbas Vasconcelos (MDB), recebeu o apoio do Pastor Eurico (Patriotas), deputado federal e candidato à reeleição. “Fico muito feliz de poder ter ao meu lado uma pessoa com os valores e a trajetória do Pastor Eurico. Trabalhei ao lado dele nos últimos três anos e meio na Câmara Federal e vi de perto seu comprometimento e sua determinação em brigar por mais recursos e investimentos para Pernambuco”, disse Jarbas.

“Apoiar um homem com a trajetória de Jarbas, um político ficha limpa e que sempre honrou Pernambuco, é motivo de muita felicidade para mim. Vamos trabalhar com muita determinação, juntos, nessa eleição”, complementou o Pastor.

Decisão de Lula pode sair nesta tarde

Máscaras de Lula na convenção do PT, no dia 4
O TSE pode proferir a decisão ainda hoje, 31 de agosto, se o ex-presidente Lula pode ou não disputar a eleição. Lula que foi condenado em segunda instância no caso do Triplex estaria inelegível,segundo a Lei do Ficha Limpa.
A sessão está marcada para hoje às 14:30, no Tribunal Superior Eleitoral.
O primeiro deles é a legalidade da candidatura de Lula, contestada em 16 impugnações. O tribunal tem até o dia 17 de setembro para julgar o caso. Pela Lei da Ficha Limpa, o petista estaria inelegível, já que foi condenado em segunda instância por corrupção e lavagem de dinheiro. Mas a mesma lei também diz que a inelegibilidade pode ser suspensa se a reversão da sentença criminal for plausível.
O outro assunto é a suspensão dos direitos de Lula como candidato até o TSE decidir se ele pode concorrer ou não. Este pedido foi feito pela Procuradoria-Geral Eleitoral e pelo Partido Novo. Entre estes direitos estão o uso do fundo eleitoral e a participação na propaganda eleitoral de TV e rádio -- os programas dos candidatos a presidente começam no sábado (1º).
Ter Lula na propaganda de TV pode fazer diferença para que Fernando Haddad, vice na chapa petista, seja reconhecido como representante de Lula e receba seus votos caso venha a substituí-lo na disputa.
Enquanto Lula teve 39% das intenções de voto no último Datafolha, do dia 22, Haddad teve 4% no cenário em que foi apresentado como candidato do PT.

Haddad já está rodando o país em campanha e sendo apresentado pelo PT como representante de Lula, mas ainda é desconhecido de 41% do eleitorado, segundo o Datafolha. No Nordeste, principal reduto eleitoral petista, esse número chega a 51%.

São Paulo: Sem Lula, disputa continua com Bolsonaro líder isolado, diz Paraná Pesquisas

Sem a presença do nome do ex-presidente Lula na lista de candidatos – cenário prestes a ser oficializado pela Justiça Eleitoral –, o deputado Jair Bolsonaro (PSL) lidera a disputa pela Presidência da República com 23,1% das intenções de votos, segundo pesquisa do instituto Paraná divulgada nesta sexta-feira.
A principal novidade no levantamento é o crescimento da candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB), que pela primeira vez aparece na segunda colocação, com 17%, superando Marina Silva (Rede), que marca 11%. Fernando Haddad, que deverá ser anunciado candidato do PT no lugar de Lula, tem 7,3%, e Ciro Gomes, 7%.
No pelotão seguinte, Alvaro Dias (Podemos) alcança 3,5%, mesmo patamar de João Amoêdo (NOVO). Henrique Meirelles (MDB) tem 1,3%, e os demais candidatos marcam menos de um ponto percentual.
Outros 6,6% disseram estar indecisos e 17% afirmam que não vão optar por nenhum candidato.

O instituto também testou o cenário com a presença de Lula. Eis os números: Bolsonaro (21,9%), Lula (21,8%), Alckmin (14,9%), Marina (7,8%), Ciro (5,8), Amoêdo (3,4%), Alvaro Dias (3,3%) e Meirelles (1%).

A pesquisa foi feita de 25 a 30 de agosto. O instituto ouviu 2.000 eleitores em 85 cidades do Estado de São Paulo . O levantamento está registrado no Tribunal Superior Eleitoral com o número BR-08470/2018.

Chapa 2 começa vencendo disputa no CREF 12

O CREF12/PE, por ordem judicial, publicou a nova data da eleição: 19 de outubro.

A entidade que já havia mandado a cédula de votação com apenas uma opção de voto para a residência de todos os Profissionais de Educação Física, juntamente com o material de campanha da chapa da situação terá que refazer todas as cédulas, mandar novamente as correspondências só que desta vez com o material da chapa 2 e sem o material da chapa 1. O Poder Judiciário pode determinar a prisão por descumprimento de ordem judicial caso tudo isso não seja cumprido.

Os Profissionais de Educação Física podem votar de suas maneiras:

1) via CORREIOS (registrada e com Aviso de Recebimento), devendo o material de votação ser enviado, logo após o recebimento, à Caixa Postal nº 7625, endereçada à Rua Joaquim Nabuco,330, LOJA 10, CEP: 52011-970, Recife-PE.

2) presencial, dia 19/10/2018, na rua Carlos de Oliveira Filho, nº 135, Prado, Recife-PE, no horário das 08hs às 17hs.

Desde a criação do CREF12, esta será a primeira vez que os Profissionais de Educação Física de Pernambuco terão o direito de escolher. A autarquia tem quase 20 anos (só teve duas presidentes) e chapa única em todas as eleições.

O Prof. Lúcio Beltrão, representante da oposição, está confiante na vitória da chapa 2. 

“O nosso movimento e nossa luta já é vitoriosa. Os Profissionais de Educação Física de Pernambuco agora têm motivos para irem às urnas. Acreditamos que o CREF12 precisa de novas pessoas, novas práticas e uma nova gestão. Queremos humanizar o CREF12; aproximar o Conselho dos profissionais, empreendedores, gestores e da sociedade; além de manter um diálogo aberto com todos”, falou o Prof. Lúcio Beltrão.

A Diretoria do Conselho Regional de Educação Física da 12ª Região (CREF12/PE) – formada pelo Presidente, 1º Vice-Presidente, 2º Vice-Presidente, 1º Secretário, 2º Secretário, 1º Tesoureiro e 2º Tesoureiro – será eleita na primeira reunião, após a posse dos Membros Conselheiros, para mandato de 03 (três) anos.

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Coluna Digital: O guia e o caminho eleitoral

Resultado de imagem para Paulo Camara Armando Monteiro
Começa a guerra na TV e no Rádio

Enfim chegou a disputa pelos governos em sua última fase que é quando os candidatos vão ter o direito de aparecer na TV e falar aos pernambucanos, digo isto a nível estadual, mas também na questão nacional. Serão 35 dias de guia eleitoral quando o eleitor vai pode ver às propostas para os próximos quatro anos dos seus candidatos e também dos candidatos dos outros, e será também quando os indecisos vão aprimorar e chegar ao destino final do seu voto.

Essa é a hora da caça ao voto dos indecisos. De um lado Paulo Câmara (PSB) vai fazer uma prestação de contas do seu governo e dizer o por que quer e merece mais quatro anos de mandato, no outro vários candidatos vem pedir a oportunidade de governar o estado. Destes três merecem destaque: Armando Monteiro (PTB), Maurício Rands (PROS), e Júlio Lóssio (REDE). 

Armando Monteiro que aparece em segundo lugar nas pesquisas tem uma grande estrutura partidária para enfrentar o governador Paulo Câmara, que de acordo com os últimos levantamentos feitos está 6 pontos à frente de Armando Monteiro. Já Rands e Lóssio, lutam contra o tempo pouco de campanha e ainda para tentar convencer a maioria dos indecisos de que têm o melhor projeto eleitoral.

Já Paulo Câmara tem o mesmo espaço e tempo para demonstrar ao povo pernambuco que governou no meio de uma crise, que precisa de mais quatro anos para administrar o estado e fazer um novo governo em Pernambuco. Pedir uma segunda chance.

Enfim, agora é a hora da luta: E que o povo pernambucano dê a palavra final.

Pegou mal 
A entrevista do Presidente Michel Temer (MDB) a Rádio Jornal rasgando elogios ao governador Paulo Câmara mostrou que a eleição em Pernambuco deve ser nacionalizada. Mesmo com a negativa do governador, muita gente não gostou nada de ouvir Michel Temer dizendo que a questão entre ele e Paulo vai se "pacificar" com o passar do tempo.

Se arrependeu?
O candidato do PTB, Armando Monteiro indagou o governador Paulo Câmara (PSB) candidato a reeleição se ele estava arrependido de ter feito gestos para tirar da disputa ao governo do estado a petista Marília Arraes que estava empatada com Paulo nas pesquisas. Essa história ainda vai render muito para o Paulo Câmara durante a campanha.

Pressa
A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou na noite da última quarta-feira um pedido para Luís Roberto Barroso. Ela quer que o ministro do STF publique logo o acórdão do julgamento que aceitou a denúncia contra Aécio Neves. De acordo com a Coluna do Estadão, a instrução é necessária para que a PGR possa iniciar a instrução penal.

Silvio Costa bate pesado nos concorrentes
Os deputados federais Jarbas Vasconcelos (MDB), Mendonça Filho (DEM) e Bruno Araújo (PSDB) votaram a favor do impeachment. O Brasil também sabe que, no dia do impeachment, o PSB tinha 34 parlamentares e apenas dois votaram a favor da presidente Dilma. Se a bancada do PSB tivesse votado a favor de Dilma, ela ainda exerceria a presidência da República e Lula seria ministro do governo. Não tenho a menor dúvida que, do ponto de vista constitucional, o impeachment da presidente Dilma foi um dos fatores que ajudaram na prisão do ex-presidente Lula.

Cadoca fora
Após 35 anos exercendo diversos mandatos eleitorais, Carlos Eduardo Cadoca saiu da disputa este ano por enfrentar dificuldades para viabilizar o seu nome no pleito. Já era dito nos bastidores que alguns nomes iam desistir ao longo da campanha e Cadoca não foi e não será o único.

Vice de Lula em Pernambuco
O candidato a vice-presidente na chapa do ex-presidente Lula (PT), Fernando Haddad, estará em Pernambuco, no próximo sábado, para agendas de campanha. Haddad tem atuado como porta voz do ex-presidente – preso desde abril deste ano – e será o candidato petista caso se confirme a inelegibilidade de Lula. A agenda prevê filmagem com a família de Lula em Caetés, e atos com a coligação majoritária em Garanhuns e no Recife.

Armando e Paulo prometem a mesma coisa
Tanto Paulo Câmara (PSB) como Armando Monteiro (PTB) fizeram a mesma promessa: O décimo terceiro do programa Bolsa Família que será pago pelo governo do estado. 

Só um pergunta: Se depois de 8 anos de Lula e 5 anos de Dilma, o PT que administrava o país não resolveu a diferença salarial entre homens e mulheres?

Silvinho Silva
(81) 98281 4782
silvinhosilva2018@gmail.com

Temer acabou com a história de palanque de Temer

O presidente Michel Temer está ausente das eleições deste ano tanto em São Paulo, seu Estado de origem, como no âmbito federal. Sua gigantesca impopularidade faz com que os próprios aliados não o queiram em seus palanques. Caso de Henrique Meirelles e Paulo Skaf, candidatos do MDB a presidente da República e ao governo de São Paulo, respectivamente. Ambos mantêm em relação a ele uma distância regulamentar, pois a lógica política não recomenda aproximação com um presidente cujo governo é rejeitado por 80% dos brasileiros. Ontem, todavia, ao ser entrevistado por uma emissora de rádio de Pernambuco, o presidente entrou sem querer na campanha estadual. Questionado sobre o comportamento político do governador Paulo Câmara, que se diz retaliado por ele pelo fato de o PSB encontrar-se na oposição, o presidente respondeu que o governador está em campanha pela reeleição, sendo necessário compreender sua a posição política. “Mas ele me apoiou desde a questão do afastamento da senhora ex-presidente”, inclusive liberando, sem ele pedir, deputados do PSB para votarem a favor do impeachment de Dilma. Ao fazer tais declarações, o presidente acabou contribuindo para afastar da campanha de Pernambuco esse debate idiota e improdutivo sobre “a turma do Temer” (o palanque de Armando) contra a turma do “não Temer” (o palanque de Paulo). É fato que o PSB apoiou o impeachment para que Michel Temer assumisse o governo e, independente da vontade do PSB, não se pode apagar a história com um pedaço de borracha qualquer.

Carpina – Joaquim Lapa anuncia apoio a Milton Coelho

Detentor de uma grande base eleitoral na Mata Norte, o candidato a deputado federal Milton Coelho (PSB) recebeu o apoio de mais uma importante liderança da região, o ex-prefeito de Carpina, Joaquim Lapa.

A adesão de Joaquim à campanha Milton Coelho fortalece ainda mais o socialista em um dos maiores colégios eleitorais da Mata Norte. Da forma com que anda pavimentando a sua candidatura, Milton deve figurar entre os 25 deputados federais eleitos em outubro.

Escrito por Wellington Ribeiro

Palmares – Altair Jr mostra força ao reunir grande público em evento político

Ao lado dos seus candidatos a deputado Raul Henry (federal) e Clodoaldo Magalhães (estadual), o prefeito de Palmares, Altair Jr (MDB), demonstrou força e liderança política ao reunir um grande público nesta quarta-feira (29) em evento que inaugurou o comitê de campanha da chapa Majoritária da Frente Popular e dos seus deputados.

O evento contou com a presença do governador Paulo Câmara (PSB), da candidata a vice Luciana Santos (PC do B) e dos candidatos a senador Humberto Costa (PT) e Jarbas Vasconcelos (MDB). 

Embalado à frente de uma gestão bem avaliada, o prefeito Altair Jr tem grandes chances de emplacar os seus candidatos a deputado como os mais votados em Palmares nas eleições deste ano. 

(Blog Ponto de Vista)

Cadoca desiste da reeleição à Câmara Federal


Nota oficial

Informei, há pouco, ao amigo Augusto Coutinho, presidente do Solidariedade, a decisão de não disputar este ano. Saio da eleição, sigo na política. Estaremos juntos na campanha para fortalecer o partido. Pela primeira vez, depois de 35 anos de mandatos consecutivos, não disputarei nenhum cargo nas eleições 2018.

Mesmo tendo registrado a candidatura, dentro do prazo legal, e seguindo todos os trâmites através do Solidariedade (SD), meu partido, tomei a decisão de não concorrer.

Saio apenas da eleição. Sigo firme na atividade política, com ou sem mandato. Desde a época de estudante, na Faculdade de Direito do Recife, essa atividade sempre fez parte da minha vida e da minha história.

Vou me engajar na campanha para fortalecer o partido, apoiando a recondução do deputado Augusto Coutinho à Câmara Federal e a dos demais companheiros aos respectivos cargos.

Desisti de concorrer por motivos pragmáticos. A Reforma Política, pela metade, que foi feita cheia de remendos, é nociva e limita a competitividade.Já houve alguns avanços, mas não o suficiente para eliminar, de uma vez por todas, vícios e reduzir custos em patamares aceitáveis.

No tempo em que estive no mandato de deputado federal, de 1999 a 2018, fui um defensor de uma transformação ampla no sistema político brasileiro, que considero exaurido e carente de uma ampla reestruturação.

Defendi e defendo o financiamento público exclusivo e o voto em lista flexível, o que permite, sem nenhuma dúvida, o fortalecimento dos partidos, na minha opinião um grande instrumento da política.

Mais uma vez, entretanto, o pragmatismo que impera no Congresso não possibilitou que tais propostas avançassem.

Infelizmente, não vejo para um futuro próximo perspectivas de mudanças efetivas, viabilizando a inovação necessária. Mas esse tema precisa ser enfrentado. É urgente!

Agradeço a todos os pernambucanos que me prestigiaram ao longo dos anos com o voto e a confiança. Vamos continuar nos encontrando, conversando, trocando ideias e contribuindo para mudar o Brasil.  

Precisamos, afinal de contas, estar mais unidos do que nunca – pela importância crucial que se reveste as eleições deste ano. 

O voto é um instrumento importantíssimo da democracia. Por mais decepções que o País tenha tido – em meio a uma onda de escândalos sem precedentes – não podemos nem devemos abrir mão dele.

É fundamental votar consciente, sendo cuidadoso na escolha de seus representantes. A tecnologia é uma aliada importantíssima para pesquisar a vida dos candidatos, saber o que pensam e o que defendem. A gente não pode, de forma alguma, abrir mão de um direito tão precioso. Vamos votar!

Carlos Eduardo Cadoca

Deputado federal pelo Solidariedade

STF decide liberar terceirização de atividades fim

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que é legal a terceirização de atividades fim em contratos anteriores à reforma trabalhista, sancionada em julho do ano passado. Hoje, com os votos do ministro Celso de Mello e da presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, sete dos 11 integrantes da Corte se posicionaram favoravelmente à prática.

Foram feitas apenas duas ressalvas. Decisões judiciais já transitadas em julgado, ou seja, concluídas na Justiça, não serão reabertas. Apenas processos ainda em discussão serão afetados. E a empresa que contrata os serviços de outra deve checar se ela é idônea e tem capacidade econômica, devendo inclusive responder pelos débitos trabalhistas e previdenciários se a terceirizada tiver problemas financeiros.

O julgamento, que consumiu cinco sessões do STF, diz respeito apenas a contratos anteriores à reforma trabalhista, quando havia uma súmula do Tribunal Superior do Trabalho (TST) proibindo a terceirização de atividades fim e autorizando apenas no caso de atividades meio. Há cerca de 3,9 mil processos de contratos antigos parados nas instâncias inferiores à espera de uma definição no STF.

O TST entende que, para contratos anteriores, aplica-se a súmula. Para contratos mais recentes, vale a reforma trabalhista de 2017, que liberou a terceirização também da atividade principal. Por enquanto, o STF está analisando dois processos que chegaram à Corte em 2014 e 2016. Mas há no tribunal outras ações questionando a reforma. Assim, o julgamento em curso agora também é um prenúncio de como os ministros poderão votar nessas ações.

Entre os ministros favoráveis à liberação da terceirização, são comuns os argumentos de cunho econômico. Segundo eles, as restrições são prejudiciais ao trabalhador e à economia brasileira. Outro argumento é o de que não havia nenhuma lei vedando a terceirização, embora também não houvesse nenhuma a autorizando expressamente. E, de acordo com eles, eventuais abusos na intermediação de trabalho seriam analisados na Justiça, uma vez que os direitos trabalhistas previstos na Constituição continuam valendo.

“Atos do poder público, à guisa de proteger o trabalhador, poderão causar muitos prejuízos ao trabalhador, pois nas crises econômicas diminuem consideravelmente os postos de trabalho”, disse Celso nesta quinta-feira.

“Com a proibição da terceirização, teríamos, talvez, uma possibilidade de as empresas deixarem de criar postos de trabalho e aumentar a condição de não emprego”, acrescentou Cármen Lúcia.

Já haviam votado antes pela liberação da terceirização os ministros Luís Roberto Barroso, Luiz Fux, Alexandre de Moraes, Dias Toffoli e Gilmar Mendes. Outros quatro foram contra: Edson Fachin, Rosa Weber, Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio Mello. Para eles, a súmula do TSE é válida e a terceirização pode significar relações de trabalho mais precárias.

TSE nega pedido para proibir divulgação de pesquisas com Lula

O ministro Tarcisio Viera de Carvalho Neto, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), negou, hoje, pedido para impedir a divulgação de pesquisas de intenção de voto com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato do PT à Presidência da República.

A ação foi apresentada na semana passada pelo Instituto Democracia e Liberdade e argumentava que a divulgação tem “sério impacto nos meios de comunicação e efeitos inequívocos na construção de tendências no eleitorado”.

A entidade disse que, como Lula foi condenado, está preso e inelegível pela Lei da Ficha Limpa, pesquisas com ele “passam a influir pela desinformação, pelo falseamento ideológico da realidade, como que projetando uma pós-verdade que não é a verdade”.

Na decisão, o ministro Tarcisio Neto citou resolução do TSE que garante que nas entrevistas de pesquisa estejam presentes “os nomes de todos os candidatos cujo registro tenha sido requerido”, mesmo que não haja decisão sobre a aprovação ou rejeição da candidatura, como é o caso de Lula.

O ministro ainda disse que a regra foi discutida em audiência pública com participação da sociedade e não poderia ser alterada “a esta altura do processo eleitoral”.

“A alteração dos critérios exigidos pela resolução em fase avançada do processo eleitoral causaria insegurança jurídica às entidades e aos institutos de pesquisa”, escreveu na decisão.

O registro de candidatura de Lula é alvo de mais de uma dezena de impugnações (questionamentos) no TSE. O tribunal ainda vai decidir se ele pode concorrer nas eleições.

Catende: Prefeito anuncia apoio a André de Paula e Terezinha Nunes

A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas sentadas e área interna

O Prefeito de Catende, Josibias Cavalcanti (PSD), esteve ontem em Recife no gabinete do deputado federal André de Paula, para declarar o seu apoio ao candidato na eleição deste ano. Na oportunidade, Josibias também declarou o voto na candidata a deputada estadual Terezinha Nunes (PSDB).

"Estamos juntos com quem está junto ajudando o município de Catende que passa por dificuldades grandes, num momento de crise. E quem ajudou Catende dentre tantos, foi André que além de ser meu deputado é amigo e a deputada Terezinha Nunes" declarou o prefeito.

Acompanharam o prefeito além de secretários, os vereadores Vicente, Buda e Marcílio da Saúde. 

Sebastião Oliveira lança candidatura

Sebastião Oliveira – O deputado federal Sebastião Oliveira e o deputado estadual Rogério Leão realizam nesta quinta-feira no Mar Hotel em Boa Viagem um encontro com apoiadores das suas candidaturas. O encontro começa a partir das 19 horas e visa aproximar os candidatos daqueles que possuem afinidade com seus projetos políticos.

(do Blog Edmar Lyra)

Coluna Digital: Os elogios de Temer a Paulo

Temer (PMDB) elogia Paulo Câmara (PSB) e agradece o apoio pelo impeachment
E agora Paulo?

Eis que surge uma voz eloquente na Rádio Jornal, rasgando elogios ao atual governador Paulo Câmara. Sim, uma voz muito conhecida nacionalmente, uma pessoa que jamais será esquecida pelo povo brasileiro. Não, ele não elogiou o "seu" palanque aqui no estado, elogiou Paulo e sua gestão e também agradeceu a Paulo Câmara pelo apoio. O nome dele: Michel Temer. Pois é, o vice que se tornou presidente através de um processo de impeachment disse que contou com o apoio do atual governador de Pernambuco desde o início do governo.

Vamos às declarações do Presidente Temer:

O presidente Michel Temer (PMDB) elogiou o governador Paulo Câmara (PSB), durante entrevista à Rádio Jornal na manhã desta quarta (29) e agradeceu o apoio do socialista ao impeachment de Dilma.

“Paulo me apoiou durante todo o período, desde o afastamento da ex-presidente Dilma”: a frase foi dita de maneira firme, na manhã desta quarta-feira 29, pelo presidente Michel Temer (MDB), em entrevista à Rádio Jornal. Entre outras declarações elogiosas, Temer afirmou que teve no governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), um “apoio importante”, tanto no processo de afastamento da ex-presidente Dilma Rousseff, como no seu governo.

Para Temer, o afastamento de Paulo do seu círculo de apoio reflete um movimento meramente eleitoral, uma tentativa de se desvincular de seu governo. “Não tem como fugir do que nós fizemos. Compreendo essas certas fraquezas humanas. O que poderíamos trabalhar era mudar um pouco essa cultura do país”, acrescentou Temer.

“Você sabe que eu já tenho estrada política e concepções suficientes para compreender o governador. Ele está no período eleitoral e precisa procurar em quem bater”, afirmou Temer, garantindo que, depois do processo eleitoral, Paulo voltará à base de sustentação do Planalto: “Depois da eleição, ele pacifica, tenha certeza disso”.

Veja abaixo os principais trechos da entrevista:

“Nosso próprio governador, gentilíssimo, o governador Paulo Câmara, né? Você sabe que não houve nenhum momento que eu fosse aí a Pernambuco na história da transposição, por exemplo, que ele lá não estava comigo.”

“Aliás, desde o primeiro momento ele deu esse apoio. Você se lembra do episódio do impeachment, quando os deputados ligados a ele todos votaram pelo impeachment, sem que eu fizesse qualquer pedido.”

“Você sabe que eu já tenho estrada política e concepções conceituais suficientes para compreender que o governador está em período eleitoral, tem que arrumar em quem bater”


Não GOSTOU dos elogios

Veja a matéria do governador Paulo Câmara, rebatendo o Presidente Temer.

O governador e candidato à reeleição, Paulo Câmara (PSB), reafirmou a sua oposição ao Governo do presidente Michel Temer (MDB), que, em entrevista à Rádio Jornal, hoje, elogiou Paulo e agradeceu o apoio durante o impeachment da ex-presidente Dilma. "O presidente Temer não tem o nosso apoio e nunca teve em nenhum dos momentos do seu Governo. Pelo contrário: éramos a favor de novas eleições (após o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff). Não aceitamos cargos no governo dele! O PSB não aceitou, a Executiva do partido não aceitou", recordou Câmara, também em entrevista à emissora.
Registrando pontos em que ele e o PSB se colocaram contrários às propostas apresentadas pelo Governo Federal, Paulo Câmara frisou a retaliação praticada por Temer. "Nós fomos contra a Reforma Trabalhista, a Reforma da Previdência, a venda da Eletrobras, o Teto de Gastos (públicos). São posições muito claras nossas. E nós fomos discriminados. A (devolução da) autonomia de Suape foi remarcada, e ele não fez, porque fomos contra a Reforma Trabalhista", relembrou.   
Esclarecendo sobre a ausência de repasses de recursos federais à primeira etapa da obra da Adutora do Agreste, Paulo Câmara pontuou que, em 2018 a intervenção não recebeu um único real vindo da União. "Nós estamos fazendo graças ao esforço da Compesa, que está executando. A segunda etapa ainda não tem nem prazo para começar. Só vamos abranger nove municípios do Agreste, e os demais estão sem prazo para iniciar essas obras. Tivemos que fazer obras com os recursos do Governo do Estado para suprir a questão da água. Fizemos a Adutora do Pirangi, a Adutora do Alto Capibaribe", pontuou.
O governador também lembrou a falta de sensibilidade do Governo Federal e do presidente Michel Temer, que, apesar de ter visitado Pernambuco durante a enchente que atingiu a Zona Mata Sul, no primeiro semestre do ano passado, ignorou a necessidade de reestruturação dos municípios afetados. "Estamos (o Estado) fazendo parcerias com os municípios. Não tivemos apoio na reconstrução das casas. Não tivemos apoio com Cartão Reforma para as casas atingidas", registrou.
A discriminação do Governo Temer com a Região Nordeste foi explicitada, por Paulo, que lembrou que os governadores do Nordeste precisaram se unir para cobrar publicamente. "Toda vez que precisávamos deliberar sobre recursos da União, nós estivemos com os governadores do Nordeste. Nós fomos para cima na questão da Repatriação porque eles não queriam dividir as multas e os juros. Como também formos para cima na efetivação da proposta de venda do Rio São Francisco, mandamos uma Carta no dia 7 de setembro de 2017, assinada por todos os governadores. A prova do "respeito" é que nunca tivemos resposta", recordou.

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Antonio Coelho fecha apoios com prefeitos em Água Preta e Sertânia

Em agenda no Sertão e Zona da Mata, o candidato a deputado estadual Antonio Coelho conquistou dois apoios de peso. O democrata visitou Água Preta, no domingo (26), e formalizou uma dobradinha com o deputado federal João Fernando, formando o palanque na cidade com o prefeito Eduardo Coutinho. Na segunda-feira (27), Antonio participou de agendas com o ex-prefeito de Sertânia, Guga Lins, ampliando o alcance da candidatura no Estado.

O candidato a estadual comemorou o reforço na campanha e garantiu que vai buscar recursos para Água Preta e Sertânia na Assembleia Legislativa. “Nossa caminhada ganha parceiros de grande relevância. O prefeito Eduardo Coutinho e o ex-prefeito Guga Lins vão somar muito em nossa campanha. Isso nos traz muita confiança e uma enorme responsabilidade com a população dessas cidades, mas vou retribuir buscando investimentos para ajudar no crescimento de Água Preta e Sertânia”, explica Antonio.

De volta a Petrolina, o candidato a estadual pelo partido Democratas retoma as agendas na sua base eleitoral. Nesta quarta (29), Antonio faz caminhada no bairro São Gonçalo e se reúne com moradores da Cohab Massangano.

São Joaquim do Monte promoverá no próximo final de semana a “Romaria de Frei Damião”

Terá início na próxima quinta-feira (30) em São Joaquim do Monte, no Agreste pernambucano, a tradicional “Romaria de Frei Damião”, uma homenagem dos devotos do frade capuchinho que morreu em 2009 e se encontra sepultado no Convento de São Félix no bairro do Pina, no Recife.
O prefeito Joãozinho Tenório (PSDB) determinou aos seus assessores que preparassem a cidade para receber os devotos que deverão passar pela cidade nos quatro dias de Romaria, incluindo a estrada que dá acesso ao Cruzeiro onde está localizada uma imagem do religioso.
No Cruzeiro foram feitos a pintura da capela, reparos na iluminação, nos banheiros e nas áreas para o acendimento de velas.
De acordo com o Padre Isael Torres, pároco da cidade e coordenador do evento, “o Cruzeiro do Frei Damião é um lugar de oração e cada detalhe deve lembrar essa realidade”.
A “Caminhada das velas” abrirá oficialmente a XXV Romaria, às 19h30min do dia 30 de agosto. O encerramento será no próximo domingo, dia 2 de setembro.

“Temer não tem o nosso apoio e nunca teve”, diz Paulo


O governador e candidato à reeleição, Paulo Câmara (PSB), reafirmou a sua oposição ao Governo do presidente Michel Temer (MDB), que, em entrevista à Rádio Jornal, hoje, elogiou Paulo e agradeceu o apoio durante o impeachment da ex-presidente Dilma. "O presidente Temer não tem o nosso apoio e nunca teve em nenhum dos momentos do seu Governo. Pelo contrário: éramos a favor de novas eleições (após o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff). Não aceitamos cargos no governo dele! O PSB não aceitou, a Executiva do partido não aceitou", recordou Câmara, também em entrevista à emissora.
Registrando pontos em que ele e o PSB se colocaram contrários às propostas apresentadas pelo Governo Federal, Paulo Câmara frisou a retaliação praticada por Temer. "Nós fomos contra a Reforma Trabalhista, a Reforma da Previdência, a venda da Eletrobras, o Teto de Gastos (públicos). São posições muito claras nossas. E nós fomos discriminados. A (devolução da) autonomia de Suape foi remarcada, e ele não fez, porque fomos contra a Reforma Trabalhista", relembrou.   
Esclarecendo sobre a ausência de repasses de recursos federais à primeira etapa da obra da Adutora do Agreste, Paulo Câmara pontuou que, em 2018 a intervenção não recebeu um único real vindo da União. "Nós estamos fazendo graças ao esforço da Compesa, que está executando. A segunda etapa ainda não tem nem prazo para começar. Só vamos abranger nove municípios do Agreste, e os demais estão sem prazo para iniciar essas obras. Tivemos que fazer obras com os recursos do Governo do Estado para suprir a questão da água. Fizemos a Adutora do Pirangi, a Adutora do Alto Capibaribe", pontuou.
O governador também lembrou a falta de sensibilidade do Governo Federal e do presidente Michel Temer, que, apesar de ter visitado Pernambuco durante a enchente que atingiu a Zona Mata Sul, no primeiro semestre do ano passado, ignorou a necessidade de reestruturação dos municípios afetados. "Estamos (o Estado) fazendo parcerias com os municípios. Não tivemos apoio na reconstrução das casas. Não tivemos apoio com Cartão Reforma para as casas atingidas", registrou.
A discriminação do Governo Temer com a Região Nordeste foi explicitada, por Paulo, que lembrou que os governadores do Nordeste precisaram se unir para cobrar publicamente. "Toda vez que precisávamos deliberar sobre recursos da União, nós estivemos com os governadores do Nordeste. Nós fomos para cima na questão da Repatriação porque eles não queriam dividir as multas e os juros. Como também formos para cima na efetivação da proposta de venda do Rio São Francisco, mandamos uma Carta no dia 7 de setembro de 2017, assinada por todos os governadores. A prova do "respeito" é que nunca tivemos resposta", recordou.

Base do PT declara apoio a Silvio Costa


O Movimento de Base do PT (MoB), organismo que representa importante parcela da militância petista, anunciou, ontem, apoio à candidatura ao Senado do deputado federal Silvio Costa (Avante).
Em encontro no Recife, 13 participantes do movimento – representando mais de 40 integrantes – anunciaram que “o primeiro voto para o Senado será em Silvio Costa”, num gesto de reconhecimento à sua luta e lealdade a Dilma e Lula.
“Não pode ser diferente. Pela coerência de atuação, pela defesa de Dilma e de Lula e por sua lealdade ao PT, nosso primeiro voto ao Senado é em Silvio Costa. Inclusive, pela coerência em reconhecer o erro no voto do teto dos gastos”, argumentou Prazeres Barros, uma das líderes do Movimento de Base do PT.
O movimento anunciou não só o apoio a Silvio Costa, mas também o engajamento na campanha eleitoral. “Estamos nos engajando na campanha de Silvio Costa. Vamos às ruas conquistar votos para sua eleição”, observou a militante Hannah Lerê, também uma das lideranças do MoB.

Temer elogia Paulo e agradece apoio durante impeachment


Rádio Jornal
Em entrevista à Rádio Jornal, o presidente da República Michel Temer (MDB) afirmou que teve na figura do governador Paulo Câmara (PSB) um apoio importante, tanto no decorrer do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) quanto durante o seu governo. Para Temer, a postura reativa do socialista em relação ao seu governo tem uso eleitoral. "Você sabe que eu já tenho estrada política e concepções suficientes para compreender o governador. Ele tá no período eleitoral e precisa procurar quem bater", diz. "Ele me apoiou durante todo o período, desde o afastamento da ex-presidente Dilma. Depois da eleição ele pacífica, tenha certeza disso", completou.
Paulo Câmara tem afirmado repetidas vezes que o Governo Temer atrapalhou o desenvolvimento da sua gestão e o cumprimento de suas promessas eleitorais. Em debate na Rádio Jornal, o socialista fez questão de reforçar a proximidade com o ex-presidente Lula.
Pernamzbuco no Governo
Temer afirmou, ainda, que tem uma atenção muito grande com os políticos do Estado. "Pernambuco teve quatro ministros no meu governo, e todos tiveram um trabalho formidável para o País e seguramente para PE. Não houve momento em que eu fosse para aí e ele (Paulo) não estivesse comigo. Ele não hesitou em pedir forças armadas. Os deputados ligados a ele votaram pelo impeachment”, disse. "Vamos compreender o governador, ele tá em campanha eleitoral", completou. Atualmente, o líder do governo no Senado é o pernambucano Fernando Bezerra Coelho, que assumiu o posto após o senador Romero Jucá (PP-PR) romper com o governo.
Ações no Estado
O presidente retrucou as afirmações do governador Paulo Câmara de que não realizou os repasses da União ao Estado, o que, segundo o socialista, teria dificultado o cumprimento de parte de suas promessas eleitorais. "Eu tenho uma relação aqui na minha frente do que foi feito por PE, são oito páginas cheias. Entregamos 2.900 unidades habitacionais, entregamos cinco navios para o estaleiro em Ipojuca. Fizemos inúmeras coisas na saúde da família, mais médicos... até por uma razão pragmática", disse. 
Entre os projetos que beneficiaria Pernambuco, Temer destaca a Adutora do Agreste. "Um destaque é para 348 projetos que abrangem 164 municípios de PE", disse. "Peço o testemunho do governador, que me acompanhou na transposição. Quando cheguei ao governo, retomei o pagamento daqueles que fazem a obra, inauguramos o eixo leste e, agora, acionei a última chave que leva água ao Ceará e outra parte de PE. Houve um acidente no eixo norte, está sendo recuperado. Gostaria de inaugurar o Eixo Norte no meu governo, mas vai ser em sete, oito ou nove meses. Vocês sabem que isso é água em abundância", diz.
Sem crise com Paulo
"Primeiro eu não fico chateado. Eu compreendo essas fraquezas humanas. Uma coisa que poderíamos trabalhar é mudar essa cultura política do país. Não tem como fugir do que nós fizemos. Como houve muita campanha contra mim, moralmente, as pessoas ficam assustadas. Temos que ficar um pouco acima dos acontecimentos. Não tem nenhum incomodo com isso, nenhum problema com isso", finaliza.

Coluna Digital: Tem golpista em todo lado

Paulo Câmara (PSB), Armando Monteiro (PTB), Dani Portela (PSOL) e Maurício Rands (PROS) se enfrentaram no debate da Rádio Jornal / Foto: Guga Matos/JC Imagem
Os pernambucanos resolveram igualar as campanhas. Tanto a campanha de Paulo (PSB) como a de Armando (PTB) não estão sendo diferenciadas pela questão de ser ou não apoiadores de Temer. Mesmo Paulo tentando colar no palanque de Armando a pecha de "palanque de golpistas" os pernambucanos tem compreendido que tem golpistas em todos os lados.

Ora, se vamos ao palanque de Paulo Câmara encontramos o próprio PSB que apoiou o impeachment de Dilma, inclusive liberando os seus secretários para votarem a favor. Além disso, temos um candidato a senador que não grita o "Lula Livre"... ainda! (E venhamos e convenhamos, mas o governador Rui Costa (PT-BA) exonerou secretários para irem a Brasília votar a favor do arquivamento da denúncia contra Temer, agora querem que nós, vistamos a roupagem de idiotas). 

Se vamos para o palanque de Armando temos vários que votaram a favor do impeachment de Dilma e até no palanque de Maurício Rands, temos deputado candidato a reeleição como João Fernando Coutinho (PROS). Então, não adianta você querer despejar em apenas um palanque uma qualidade que todos tem. No palanque da Frente Popular, temos apoiando a candidatura de Paulo o ministro da defesa Raul Jungmann que é ministro de Temer. 

O povo de Pernambuco quer saber quem vai resolver os problemas de violência, de altos impostos, do desemprego crescente, das barragens de contenção e não essas questões pequenas que foram colocadas no debate de hoje da TV JORNAL.

Falta de respeito - Faltou a presença do candidato da REDE SUSTENTABILIDADE Júlio Lóssio no debate entre os candidatos a governador. Mesmo assim, ele fez uma transmissão paralela apresentando seu plano de governo que rendeu milhares de visualizações.

Calou a boca - O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) mais uma vez calou os entrevistadores da TV GLOBO, desta vez na famosa "bancada do Jornal Nacional". Bolsonaro chegou a constranger os entrevistadores, principalmente na hora que lembrou que a emissora apoiou a intervenção militar de 64.

Xexéu e Palmares - O governador e candidato a reeleição Paulo Câmara (PSB) estará presente nesta quarta-feira nas cidades de Xexéu e de Palmares ao lado dos prefeitos Eudo Magalhães (PSB - Xexéu) e Altair Júnior (MDB - Palmares). Estarão também presentes os candidatos ao senado, Humberto Costa (PT) e Jarbas Vasconcelos (MDB).

Chapa Fechada - Em conversa com o prefeito de Jaqueira Marivaldo Andrade (PT), ele nos disse que está apoiando a chapa fechada da Frente Popular. Para deputado estadual Aluísio Lessa (PSB) e para deputado federal João Campos. O prefeito elenca diversos fatores, dentro os quais o apoio de Paulo Câmara a diversas obras realizadas na cidade.

Belém de Maria - Na cidade de Belém de Maria o ex-prefeito Tio Correia (PSB) está apoiando para deputado federal Milton Coelho (PSB) e para deputado estadual Beto Accioly (PP). Tio Correia foi prefeito e Jal da Ambulância é ex-vereador na cidade. Ele conta ainda com apoio de lideranças e ex-candidatos. 

Belém de Maria II - O ex-candidato a vice-prefeito Claudiano (PSDB) vai anunciar em breve apoio ao candidato do PTB Armando Monteiro e a Mendonça Filho (DEM) e Bruno Araújo (PSDB) ao senado. Claudiano foi candidato a vice na chapa de Amália e será o único palanque de Armando na cidade. Dinho, ex-prefeito vai de Rands (PROS).

Rompimento em Palmares - Na cidade de Palmares, o vice-prefeito Agenaldo Lessa (PPS) anunciou ontem apoio ao candidato do PTB ao governo, Armando Monteiro bem como aos candidatos ao senado da chapa de oposição. Eleito com Altair Junior (MDB) que apoia a Frente Popular, Agenaldo prepara para crescer para às eleições de 2020.

Camaragibe - O PT de Camaragibe decidiu fechar no apoio a candidata Marília Arraes para deputada federal e a Tereza Leitão para estadual. O grupo petista da cidade já está de olho nas eleições de 2020 quando estará em jogo a sucessão municipal.

Silvinho Silva
(81) 98281 4782
silvinhosilva2018@gmail.com

terça-feira, 28 de agosto de 2018

Durante debate, Armando garante: “O crime não terá vida fácil”

Determinado a resgatar a autoridade que o Estado perdeu nos últimos anos no combate à violência, o candidato a governador Armando Monteiro defendeu propostas e destacou a necessidade de unir as pessoas em torno da reconstrução do Estado, que nos últimos anos perdeu competitividade e enfrentou indicadores alarmantes de violência e desemprego.
“Os bandidos não terão mais vida fácil, como têm hoje. Vamos recuperar a autoridade do governo nas ruas, levar paz e tranquilidade para a população”, comentou, acrescentando: “O governo perdeu a autoridade, se fechou no Palácio e deixou que a criminalidade assumisse as ruas, estradas e até as áreas rurais”, argumentou, após o primeiro confronto entre candidatos, promovido pela Rádio Jornal, no Recife, nesta terça-feira (28).
Armando afirmou que o governo precisa apresentar resultados e não apenas ficar se lastimando pela crise. Além de Armando, participaram Paulo Câmara (PSB), Dani Portela (PSOL) e Maurício Rands (PROS). O debate começou sobre Educação. “Precisamos olhar o Estado como um todo e não apenas para um indicador. Pernambuco apresenta números constrangedores: temos um milhão de analfabetos e mais de 100 mil crianças fora da escola”, disse Armando.
Armando dirigiu pergunta para a candidata do PSOL Dani Portela, ressaltando a questão da violência contra as mulheres. A candidata concordou com Armando, afirmando que é fundamental investir em prevenção e combate ao crime, dizendo que Pernambuco é um território perigoso para as mulheres. “As delegacias aqui funcionam em horário comercial, como se o crime tivesse hora para acontecer”, ponderou.
Por outro lado, Paulo Câmara, questionado sobre a promessa não cumprida de construir o hospital de Serra Talhada, voltou a tentar transferir a culpa para o Governo Federal. Paulo, em 2014, prometeu construir 4 hospitais no interior do Estado e em 3 anos e oito meses de gestão não conseguiu entregar nenhum.
No terceiro bloco, Armando questionou Paulo Câmara sobre o fato de o adversário, há apenas três semanas, ter afirmado “estar arrependido” de ter trabalhado pelo impeachment de Dilma Roussef. “Você também se arrepende de ter votado em Aécio e ter impedido Marília Arraes de ser candidata e estar aqui conosco hoje?”, indagou Armando. Em resposta, Paulo admitiu que o PSB ajudou a levar Michel Temer à presidência porque atuou a favor do impeachment e apoiou Aécio Neves em 2014. Armando foi mais uma vez firme em seu posicionamento: “Eu sou leal, não mudo de opinião ao sabor do vento. Estou e sempre estive ao lado do presidente Lula”, disse, lembrando que votou contra o impeachment no Senado.
Nas considerações finais, Armando defendeu o debate honesto nesta campanha e deixou uma mensagem de esperança no futuro. “Não vamos falsear, mentir e fazer falsas promessas. O que tem faltado a Pernambuco é governo. Uma gestão que restaure a autoridade e tenha um olhar voltado para o micro e pequeno empresário, que gera emprego. Há um novo caminho que iremos seguir, para que a gente volte a crescer”.

Quatro candidatos ao governo participam de debate

Do G1/PE
Quatro candidatos ao governo do estado de Pernambuco participaram, na manhã de hoje, do primeiro debate realizado pela Rádio Jornal, no Recife. Estiveram presentes Armando Monteiro (PTB), Dani Portela (PSOL), Maurício Rands (Pros) e Paulo Câmara (PSB).
Pernambuco tem, ao todo, sete concorrentes ao governo. Segundo os organizadores do debate, foram convidados os candidatos que integram partidos políticos com, no mínimo, cinco parlamentares no Congresso Nacional.
O debate foi dividido em quatro blocos:
  • Primeiro bloco: apresentação dos candidatos e perguntas entre os opositores.
  • Segundo bloco: perguntas de jornalistas da Rádio Jornal.
  • Terceiro bloco: perguntas entre candidatos.
  • Quarto bloco: perguntas de jornalistas da Rádio Jornal e considerações finais.
No primeiro bloco, cada candidato respondeu à mesma pergunta: "Por que eu quero ser candidato a governador de Pernambuco?"
Primeiro a responder, Maurício Rands (Pros), explicou o que o motivou a se lançar na disputa. "Quero governar o meu estado, porque gosto de gente, porque construí em 30 anos de vida pública, profissional e acadêmica, a capacidade de fazer Pernambuco avançar. Queremos um Pernambuco emancipado da burocracia, da corrupção, da casa grande, das difíceis condições de saúde, educação e mobilidade. Queremos um Pernambuco que volte a crescer com inclusão social. Nós montamos uma coligação pequena com o Pros, um partido novo que está surgindo, com o PDT e com o Avante. Uma coligação que apresenta na chapa dois homens e duas mulheres, eu candidato a governador, Isabela de Roldão candidata a vice, e Silvio Costa e Lídia Brunes candidatos ao Senado, para mudar Pernambuco."
Na sequência, Dani Portela (PSOL) apresentou as razões que a levaram a concorrer ao cargo. "[Sou] candidata a governadora pelo PSOL, o partido do solzinho, de Marielle Franco. Em nome dessa flor que nos foi tirada, nós estamos aqui para lançar a nossa candidatura. Como advogada, tenho viajado esse estado inteiro e como professora, também. Tenho visto o descontentamento [da população], as pessoas estão incrédulas. Nós temos 12 anos do governo do PSB, e todos os que estão aqui [os demais candidatos] já foram governo antes em algum momento e eu sou a única que nunca foi governo. [...] A gente precisa governar de mão dadas com o povo, pelo poder popular, por mais justiça social, e é em nome disso que nós queremos um Pernambuco independente para todas e todos."
Paulo Câmara (PSB), atual governador, defendeu a gestão e a continuidade. "A gente teve a capacidade e a determinação nos últimos anos de governar esse estado. Governamos em um momento de muita dificuldade: a maior crise que esse Brasil já viu e questões estruturadoras também, como a maior seca da história. Mesmo assim, tivemos a capacidade de transformar Pernambuco em um estado eficiente, com educação pública de qualidade. Sabemos que temos muito o que fazer, os próximos anos vão continuar a ser desafiadores. Nós temos um governo que faz as entregas, que ouve a população, que percorre todas as regiões do estado, ouvindo, planejando, priorizando aquilo que é importante. E vamos ter em 2019 oportunidade de ter o presidente Lula governando o Brasil para voltar a crescer muito, diferente da forma que hoje é administrado pelo presidente Temer e seus aliados."
Armando Monteiro (PTB) foi o último a participar da abertura do debate. "Nesse momento, nenhum pernambucano pode se omitir. Eu pretendo reunir e juntar Pernambuco, promover uma grande união. Por isso, atendi a uma convocação de uma ampla frente política, porque Pernambuco precisa resgatar o seu papel nos cenários nacional e regional. É preciso devolver a esperança aos pernambucanos. [...] Grande parte dos avanços que fizemos de 1998 até 2014 foi praticamente anulada nos últimos anos. O povo de Pernambuco sabe que a eleição de 2014 se revestiu, claramente, de um caráter de homenagem ao ex-governador Eduardo Campos, uma homenagem justa, mas a partir daí, infelizmente, Pernambuco viveu um grave retrocesso."
Segundo, terceiro e quarto blocos
No segundo bloco, jornalistas da emissora fizeram os questionamentos para cada candidato. Os temas das perguntas foram: recuperação da BR-232 e segurança na rodovia; investimentos em saúde; combate à violência contra a mulher e investimentos no Porto de Suape.
No terceiro bloco, os candidatos voltaram a fazer perguntas entre si. No último, profissionais da Rádio Jornal fizeram outros questionamentos, agora com os seguintes temas: mortalidade infantil, sistema prisional, cumprimento de promessas da campanha passada e a criação de uma moeda comunitária.
Considerações finais
Ao final, no quarto bloco, cada candidato teve oportunidade de fazer as considerações finais.
Amando Monteiro ressaltou a importância do encontro. "Debate é sempre um grande momento na sociedade, onde se discute os temas que interessam ao cidadão eleitor. Um debate que possa ser feito de maneira honesta, um governo honesto começa com um debate honesto, não sair do prumo, não falsear, não mentir e não fazer falsas promessas. Eu entendo que Pernambuco tem todas as condições de se recuperar e resgatar a esperança. [Somos] um povo trabalhador, empreendedor e, para isso, é preciso um governo. O que tem faltado a Pernambuco é governo, um governo que olhe para os mais carentes, que faça na saúde um atendimento digno, humanizado, que restaure a autoridade, que atue na questão do combate à criminalidade sem tréguas e que possa olha o micro e pequeno empreendedor, porque esse é que gera empregos. Por tudo isso, nós temos muita confiança que Pernambuco vai fazer a escolha por um novo caminho."
Maurício Rands defendeu o seu nome na disputa. "Esse debate mostrou que a minha é a candidatura da esperança, da inovação, da reconstrução da política e da mudança dos métodos de governar, desde a construção da candidatura. Nós fazemos um programa de governo colaborativo, você que nos ouviu até agora pode entrar na plataforma rands90.com.br e opinar quais os problemas que você quer solucionados na sua região, para seu setor específico. Volto a Pernambuco, à política, para trazer a minha experiência que tive para ajudar o estado a se reconstruir. Ficou claro que se você está satisfeito com o presente, fica com atual governo. Se quer uma oposição de esquerda, vota em Maurício Rands."
Paulo Câmara falou sobre compromissos. "Vamos continuar trabalhando por uma educação de qualidade, melhorando, sendo uma referência no Brasil. Continuaremos a diminuir a violência, como nós estamos fazendo no ano de 2018, com ações que façam acontecer prisões de homicidas e de traficantes de drogas. Ampliaremos os serviços de saúde, como nós estamos trabalhando muito e buscando ser eficientes. Fazer mais com menos, ao mesmo tempo, concluir as obras que a crise não deixou, devolveremos os empregos que essa crise também tirou, criando um grande pacto pelo emprego na mesma forma que nós fazemos nas outras áreas, e criar no ano que vem programas de assistência, de transferência de renda, programas que possam dar aos que mais precisam um 13° do bolsa família. Pernambuco não pode andar para trás, Pernambuco é um estado de vanguarda que nasceu para estar na frente e nós estamos trabalhando muito para Pernambuco ficar na frente."
Dani Portela, que foi a última a falar, avaliou o quadro político. "Pernambuco já vem sendo governado pelo mesmo grupo há 12 anos. Então, 2018 é um ano crucial, que exige que as pessoas tenham lado. E o nosso lado sempre foi do lado do trabalhador. O PSOL é um partido de esquerda e que estava do lado de Lula, do lado de Dilma, na hora que outras pessoas se retiraram, nas horas mais difíceis, e a gente não fica puxando isso como uma bandeira. Serei a governadora do cooperativismo, pois acreditamos que é a forma de ser mais inclusiva, participativa, gerar emprego e renda, Pernambuco com esperança, sem medo de mudar Pernambuco, com participação popular, inclusão social e com as mulheres no centro dessa mudança".