segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

MANDANDO BRASA - Não é pela ordem, é pela sorte

Não será fácil nem com chapinha nem com chapão

Resultado de imagem para deputadosEstou acompanhando pela mídia do nosso estado a formação de blocos e já com pensamentos em coligações proporcionais para o ano de 2018, tendo em vista a reeleição de alguns deputados federais e estaduais do nosso estado, ou até mesmo da eleição de alguns. No entanto, como diz o velho ditado: esqueceram de combinar com os russos, e nesse caso, os russos é o povo brasileiro e muito restritivo, pernambucano. Esta campanha será uma das mais politizadas do estado e não será fácil já dá pra notar a reeleição e até mesmo a eleição de alguns deputados. Vai ser, bem "pior do que você imagina".

Eu gosto de pegar exemplos para ilustrar bem o momento político. Quem não lembra da milionária campanha de Marinaldo Rosendo (PP) para deputado em 2014, que contou com o apoio de diversos prefeitos no estado, e todos juravam que ele seria eleito com quase 150 mil votos e terminou com apenas 97 mil votos sendo passado pra trás por deputados que não demonstravam tanta "empolgação" durante a campanha. Então, nesta nova seara de políticos quem estiver imaginando que vai ser eleito na base do dinheiro, na base do título, vai quebrar a cara. Arrisco um palpite: 30% no mínimo dos pernambucanos vão votar por suas próprias ideologias políticas, seja de esquerda ou de direita e algo em torno de 30% (tendente a aumentar) sequer vão aparecer na eleição.

Restaram apenas 40% (e olhe lá) que poderão ser levados a votar pela vantagem financeira, pelos auxílios prestados, por favores. Um percentual bem abaixo, mas muito abaixo mesmo do normal. Vai ser muito dinheiro disputando poucos eleitores sem garantia nenhuma de votos. Até porque quem vende o voto não dá a certeza 100% de que votará, e eis o problema que está tirando o sono de inúmeros deputados (estaduais ou federais) e também dos prefeitos que vão ter que gastarem a sola do sapato para tentar fazer seus candidatos majoritários em suas cidades, em um drástico momento em que o mar não está para peixe nos seus municípios.

A classe política vai de fato e de direito para um verdadeiro teste de fogo em 2018. Lembro que ano passado no Amazonas o total de votos nulos e brancos atingiram quase 40% do eleitorado votante. Isso demonstra uma fotografia do que vem por aí. A Lava Jato estará na cabeça do eleitor que for votar; a ficha limpa do candidato também. Muitos votarão a favor de Lula e de quem o apoia, enquanto outros votarão contra Lula e contra quem o apoia? Está dando para entender essa conta? Complicado não é?

Mas aguarde para ver o resultado que teremos em 2018, saído das urnas, precisamente no dia 07 de outubro. 

Voto Evangélico - Se tem alguém com peso eleitoral e que dificilmente perderem o controle de seus eleitores são os evangélicos. Estes, tem o costume de votarem conforme é apontado pelas suas respectivas denominações.  

Prefeitos no teste - Desde a semana passada estou realizando em minha página no facebook uma enquete sobre a aprovação do prefeito de Belém de Maria, Rolph Junior (PTB) que se encerrará amanhã. Hoje iniciamos a avaliação do prefeitos de Palmares (Altair Junior) e de Água Preta (Eduardo Coutinho).

Maraial e o piso dos professores - Impactou positivamente na gestão do município de Maraial, o fato de Moura (PTB) ter elevado o salário dos professores para o teto nacional já no início do ano letivo de 2018.


Silvinho Silva é editor do Blog
silvinhosilva2018@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário