terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Ministro de Dilma, de Temer e agora de Bolsonaro

Resultado de imagem para fernando bezerra coelho
O Ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, irá se reunir com o Senador de Pernambuco Fernando Bezerra Coelho (MDB) para um encontro que deve acertar o principal articulador do governo dentro do Congresso Nacional. Além disso, esperam os estrategistas do governo, pode selar a paz com o MDB após a derrota de Renan Calheiros para presidente do Senado.

Bezerra vem articulando seu papel como futuro líder do governo no Senado desde a semana passada com o recém eleito presidente do casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), figura próxima à Onyx. Caso Bezerra seja confirmado como articulador oficial do governo de Bolsonaro, o Planalto ganhará, na teoria, o apoio de pelo menos mais doze Senadores do MDB, apesar das inúmeras divisões internas dentro do partido.


Dentro do Senado, o MDB ㅡ antigo PMDB ㅡ historicamente sempre ficou posição de destaque, ocupando os cargos de maiores prestígios da casa. Para qualquer governo, se aliar à legenda, mais do que a compatibilidade de ideias, é uma questão de prática. Apesar da estratégia governista de mudar a forma de relação com o Congresso, convém ter o MDB por perto.

À Folha de Pernambuco, Fernando Bezerra disse que, além do presidente da casa, sua liderança no governo também vem sendo articulada junto ao também senador e líder no MDB no Senado, Eduardo Braga. “O presidente Alcolumbre sondou Braga sobre possibilidade de meu nome liderar o governo. O nosso líder consultou a bancada, que respondeu de forma positiva”, e completa: “Então, o Davi me pegou no plenário e disse que segunda-feira nós falaríamos com Onyx”, disse.O encontro, no entanto, não pode acontecer ontem.

Durante o primeiro governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), Bezerra ocupou a posição de ministro da Integração Nacional. Já no mandato de Michel Temer, o Senador chegou a assumir a liderança interina do governo no Senado por uma semana após a renúncia do articulador oficial da época, Romero Jucá, também do MDB.

Nenhum comentário:

Postar um comentário