quinta-feira, 21 de junho de 2018

MANDANDO BRASA - Alckmin em Pernambuco

Imagem relacionada
Preparando o Terreno. Alckmin desembarca em Pernambuco

Chegará ao solo pernambucano hoje, o presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin. Ex-governador de São Paulo, estado que governou não menos que quatro vezes, Geraldo vem participar dos festejos juninas na cidade de Caruaru a convite da Prefeita Raquel Lyra (PSDB) que recentemente foi convidada para fazer parte da sua equipe de plano de governo na área de segurança. O PSDB vem protagonizando com o PT as disputas presidenciais desde o ano de 1994. 1994 e 1998 Fernando Henrique Cardoso foi vitorioso no primeiro turno. 2002 em diante o PSDB tentou voltar ao comando da nação sem sucesso com Serra, 2006 com Alckmin, 2010 novamente com Serra e 2014 com Aécio (único mineiro tucano na disputa). Aécio tentou manter seu nome na disputa até ser envolvido em denúncias da Lava Jato e ser pego em conversas nada democráticas com os empresários da JBS. Alckmin ainda ensaiou uma disputa em prévias com o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio (PSDB) que deixou a disputa, deixando o caminho livre para o tucano que vai para a sua segunda campanha presidencial.

Diferente das outras vezes que se esperava ver quem iria se enfrentar entre o PT e o PSDB, este ano de 2018, com Lula preso e com o Alckmin com um dígito apenas nas pesquisas de intenção de votos e perdendo em seu próprio estado para o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, Alckmin tenta reacender e levar consigo a militância tucana que não demonstrou empolgação até o presente para levantar a campanha tucana. Em Pernambuco, mesmo com Armando Monteiro (PTB) candidato a governador e tendo a possibilidade de ter um vice tucano, ainda não apareceu um palanque Alckmista. Até que apareça quem faz às vezes tucanas aqui são militantes que ainda estão se organizando e o deputado Bruno Araújo que foi ministro das cidades. 

Apesar das dificuldades iniciais, Alckmin é de surpreender em todas eleições que disputa. A de 2006 jamais sairá da lembrança dos petistas que tinham a reeleição de Lula no primeiro turno como certa e tiveram que enfrentar o tucano no segundo turno. Naquela época, Lula despontava nas pesquisas entre 55-60 pontos e terminou no dia da eleição com 46%, quase eleito! Mas teve que enfrentar mais alguns dias, até que o povo o reelegeu. Naquele ano, ninguém apostava no nome do tucano. Não fosse os diversos problemas enfrentados pelo PSDB quer sejam eles políticos, de ter apoiado o pior governo de todos os tempos da república, quer seja de nomes de membros envolvidos na Lava Jato, Alckmin estaria bem à frente nas pesquisas a ter que disputar um segundo lugar e vendo o até alguns meses "desconhecido" Jair Bolsonaro ocupar o lugar que o PSDB tinha como certo que era dele. 

A verdade é que se o PSDB não conseguir desconstruir o discurso de Bolsonaro, ele irá para o segundo turno e Alckmin corre o sério risco de ficar fora da disputa pois a outra vaga contra Bolsonaro provavelmente deverá vir de alguém da esquerda ou centro-esquerda quais sejam: Ciro Gomes ou Marina Silva. E é contra isso, que o partido está lutando, tentando levar a população à reflexão do que vem a ser o mais preparado para governar o Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário