sábado, 23 de junho de 2018

Maia, Temer e Aécio discutem possibilidade de trocar Alckmin por Doria na disputa presidencial

Félix Zucco / Agencia RBSA possibilidade de substituir Geraldo Alckmin por João Doria na chapa presidencial do PSDB, unindo o MDB e o DEM em torno desse novo candidato, foi o principal assunto de um jantar promovido na residência oficial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na noite da quinta-feira (21).
O encontro, que teve Maia como anfitrião, reuniu o presidente Michel Temer, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco. Apesar de acertada há alguns dias, a reunião não constava da agenda oficial nem de Temer nem de Maia.
O jornal O Estado de S. Paulo apurou que foi feita ali uma avaliação de que Alckmin, estagnado nas pesquisas de intenção de voto, não consegue empolgar e, se nada for feito, o chamado centro político estará fora do segundo turno da disputa. O governo, a cúpula do MDB e setores expressivos do DEM têm simpatia por Doria.
A conversa não foi conclusiva, mas serviu para medir a temperatura da disputa, a menos de quatro meses da eleição. Na prática, todos queriam montar o xadrez e saber com quais aliados poderiam contar e quem seria o vice se a chapa fosse liderada por Doria, que tem negado a possibilidade de disputar à Presidência.
O pré-candidato do MDB ao Palácio do Planalto é o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles, que até hoje está estacionado em 1% das intenções de voto. No diagnóstico do governo, porém, ele não conseguiu vestir o figurino de candidato.

Negativas

Aécio negou que a reunião tenha discutido a substituição na chapa presidencial do PSDB. "Não tratamos desse assunto", afirmou o senador, por meio de sua assessoria.
Procurado, o coordenador político da campanha de Alckmin, Marconi Perillo, disse não ter informação sobre o encontro na casa de Maia. "O candidato do PSDB é Geraldo Alckmin."Maia não quis comentar o tema da reunião. "Não teve nada demais", disse o presidente da Câmara. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário